quinta-feira, 16 de agosto de 2007

"um beijo dói mais que uma porrada"


Segundo Antonin Artaud, o palco é o local onde os corpos se preparam para as batalhas. E subir em um palco, se apresentar para uma platéia, encarar e se entregar para um público, é sempre uma batalha. Pode ser a mais prazerosa possível ou a mais difícil. Depende de cada um! No caso do grupo mineiro Porcas Borboletas é um deleite. O guitarrista Moita Mattos, o cantor, poeta e performer Danislau Também, o baterista Vi Vicious, o percussionista "incidental" Ricardim, o cantor e guitarrista Enzo Banzo e o baixista Rafa Rays não sobem ao palco só para cantar ou tocar. Com toda a irreverência que lhes é particular, eles se arriscam. À cada letra, acorde, espasmo e cena, o Porcas esbanja atitude. Com letras deliciosas como Cerveja, Lembrancinha e Vernissage, o grupo cria e transcria à vontade. Lobão, Caetano e Waly Salomão entram na roda e são subvertidos no liquidificador do Porcas. Com uma performance meticulosamente arrojada e muita graça, os 6 experimentam e curtem a música que fazem. No Stereoteca, o Porcas fez o público se contorcer nas cadeiras. Apenas um corajoso saltou lá na frente e se esbaldou com os vocalistas. A participação especialíssima ficou à cargo da cantora Daniela Borela, do Quarteto Vagamundo. Sem estertores, mas com muita suavidade, Daniela dividiu o palco com a moçada do Porcas e se divertiu. Também, não era para menos. Com o cd “Um Carinho com os Dentes” na bagagem e um show da melhor qualidade, o Porcas Borboletas tem uma apertada agenda durante os próximos meses, como no Festival Jambolada. Bom... segundo a atriz e dramaturga Grace Passô: "Tem coisa que espanca, mas espanca doce". No caso do Porcas Borboletas,"um beijo dói mais que uma porrada".

6 comentários:

danislau disse...

sensacional o texto!!!!!

Cristiana Brandão disse...

Danislau, adorei a sua passada por aqui. Quero ler o seu livro. Onde acho? Ah... sensacional foi o show.

alimdul disse...

cris cris, que delícia de cobertura. esse seu olhar capturou o show, o momento, um processo inteiro. adorei!

comprei o livro do danislau, baratim baratim, e super bacana, a gente pode combinar de fazer uma troca temporária hã?! ;)

besitos!
lud

Cristiana Brandão disse...

adorei a idéia da troca: levo o serge e vc me empresta o danislau. fechado! gostei demais do texto para a rádio que você fez, lud. bjs

Ottar do Arco disse...

Quero fazer uma denúncia (duvido que seja publicada).
Esses meninos modernos do Porcas Borboletas têm-se utilizado de recursos ilícitos, a saber, de alta tecnologia, para "fazer a cabeça", como eles dizem, da nossa indefesa juventude brasileira.
Desenvolvi um equipamento que consegue fazer girar ao contrário os Cd´s desse grupo musical e o resultado é chocante. Mensagens estereofônicas subliminares aparecem em todas as faixas do disco "Um carinho com os dentes" e são absorvidas pelo sub-consciente de nossos jovens, adolescente e, pasmem, de nossos púberes.
O objetivo deles é claro: o poder.
Senão, vejamos. Ao fazer girar ao contrário o refrão da música "Cerveja", onde, em rotação normal, ouve-se: "Cerveja, acabou o amor!", o que temos é a revelação do verdadeiro propósito do dito grupo musical na frase: "Ricardinho para vereador!". Note-se a sofisticação do método ao fazer a rima em ambos os sentidos! Isso é um absurdo! Temos que denunciar!
Sei que a partir dessa revelação, e do fato de me expor excessivamente a esse som, com intuito exclusivamente de pesquisa, minha vida corre risco. Portanto, se por acaso, um dia, um senhor de uns 40 anos, grisalho, calvície proeminete, com um ar distinto, for visto em atitude pouco adequada, pulando em estado de êxtase num dos shows da referida banda, junto com centenas de jovens histéricos, saibam que, provavelmente, fui contaminado também.

Cristiana Brandão disse...

Caro Ottar do Arco, eu também!